30 maio 2008

Não... De novo não!!!



Não... De novo não!!!

Num dia um pouco diferente dos outros, João Ninguém estava trabalhando. Ele era carregador de feira livre, quando chegou perto dele um homem muito estranho.
O homem, do nada, saca uma metralhadora de sete metros de comprimento com capacidade para trezentas mil balas ou uma bomba nuclear radioativa destruidora de planetas, aponta para o João e fala:
- Cadê o pagamento da jóia? Seu safado!!!
E João começou a gaguejar:
- Eh...eh....eh....por...porque...é...eu...na...não...tem...tenho...
ag...agora...
- Ah meu amigo, então eu vou ser obrigado a enfiar bala na sua cabeça... Mas para a sua sorte eu lhe darei o prazo de mais uma semana... Uma semana entendeu?
Faltando um dia para o prazo acabar, João sabia que não ia conseguir pagar então foi curtir a vida e afogar as mágoas no bar 12 de outubro. Comeu, bebeu e dançou muito.
Depois da festa ele foi até o lago Ness e se atirou na água.
Dias depois, o corpo dele foi encontrado dentro do lago, só que estava lá só a pele e os órgãos dele, pois o esqueleto estava por ai andando e assustando as pessoas.
Já a sua alma foi abduzida pelos Jupterianos.
Logo, em Júpiter...
Lá estava um grupo de Et’s de quarenta mil olhos modelando a alma dele.
Os Et’s desceram com a alma de João, que agora era um monstro, para a Terra e o jogaram no lago Ness, assim virando “O monstro do lago Ness” ( Daí a lenda).
Dias depois o mesmo homem estranho estava passando ali perto do lago quando de repente o monstro pula e come o homem e sua metralhadora de sete metros em uma bocada só.
Enquanto isso, os Jupterianos começaram a trabalhar em uma nova missão: Eles começaram a fazer calor, muito calor, então as calotas polares começaram a derreter e a água estava começando a destruir o mundo todo.
O objetivo dos Jupterianos era transformar a Terra inteira em um oceano só, onde eles iriam colocar o monstro do lago Ness, fazendo assim com que ele virasse o monstro do “Oceano Terra” protegendo a Terra (que seria formada por um só oceano).
Os Jupterianos teriam a Terra só para eles e nenhum outro grupo de seres Et’s interplanetários poderia entrar lá, pois a Terra estaria sendo protegida pelo Monstro. Pois é... O plano deu certo.
Eles queriam que Júpiter (o planeta deles) fosse o planeta mais conhecido como era a Terra, mas...
Quando eles voltaram para Júpiter, perceberam que lá estava lotado de Zumbis nerds, monstros de fogo, e claro, a caveira de João.
Desesperados, os Jupterianos começam a trabalhar em uma bomba planetária destruidora de Zumbis nerds, monstros de fogo e caveiras, só que a bomba não poderia afetar o planeta. Para isso eles teriam que trabalhar muito.
Para fazer a bomba eles foram para Plutão, para que os invasores de Júpiter não vissem o projeto.
Depois de pronta, eles jogam a bomba e dá tudo certo... Os invasores são destruídos e o Planeta fica intacto. O objetivo deles mais uma vez estava completo.
Um mês depois...
Os Jupterianos vão à Terra dar comida para o monstro.
Quando eles chegam lá, encontram o monstro morto.
Muito decepcionados eles começam a pesquisar quem fez aquilo e então eles descobrem que foi uma equipe de mafiosos nazi-fascistas de marte que fez um Polvo Biônico com mira e tiro a laser, olhos supersônicos, metralhadora com munição infinita embutida, doze mil tentáculos todos com um microcomputador instalado que conseguem captar qualquer inimigo até no máximo 40 milhões de anos luz de distância e um canhão com superpotência instalado no lugar da boca. Começaram então a pensar como eles poderiam se vingar.
Os Jupterianos começaram a trabalhar em algo que destruísse o polvo biônico.
Eles jogaram bombas, explosivos, bilhões de greemlins e muito mais coisas, só que o polvo era muito forte.
Os humanos ficam sabendo o que está acontecendo através de um jornal lá de Vênus, pois alguns sobreviventes foram para lá durante a inundação.
George Trush, um deles, começa a fazer uma super-bomba XXLZZ24 radioativa mega-secatrônica destruidora de polvos biônicos.
Finalmente algo dá certo, o polvo morre e Luba mais um sobrevivente agradece Trush e constrói um super-sugador de água, só que como ele não tem um dedo, foi um processo demorado.
Um ano depois a água é sugada e a vida na Terra volta como no começo da sua história.
Apenas mil habitantes (os que voltaram de Vênus), sem prédios, casas, shoppings... Ou melhor, sem nada.
Tudo começou do início, uma nova idade da pedra.
Os humanos sobreviventes vão reconstruindo tudo e repovoando a Terra.
No ano de 7005, tudo está pronto (cinco mil anos depois) e um homem está trabalhando na feira quando chega um cara muito estranho e fala:
- Cadê o pagamento da Jóia, seu safado???
Rafael que é um sobrevivente de tudo que aconteceu em 2005, que ajudou a reconstruir a Terra diz desesperado:
- NÃO... DE NOVO NÃO!!!

PS.: Vocês devem estar se perguntando como Rafael viveu tanto tempo, não é mesmo?
Pois é, a radioatividade da bomba lançada por George Trush se espalhou para Vênus que é onde ele estava no momento da explosão da bomba, isso fez com que ele vivesse tudo isso, só ele e mais dois tiveram a mesma sorte.. Luba e Trush... Infelizmente!!!
PS2.: Todo e qualquer personagem ou situação retratada aqui é totalmente fictícia e qualquer semelhança com fatos ou pessoas reais é mera coincidência.

Arthur Baptista – O Contista

Direitos Reservados

4 comentários:

Jorge Luiz Vargas - jhoyvargas disse...

Filho de peixe, peixinho é. Mas toma cuidado viu peixe... que o peixinho pode ser melhor do que o pai(risos).
Parabéns Arthur, serei frequente leitor do espaço de vocês.
Grande abraço bróder Renato.
Jorge Luiz Vargas

MARTHAMORO7 disse...

Querido Arthur, bom te ver assim mais maduro, uma belissima forma de se perceber a tua escrita, ela é como um aviso sonoro de "vou chegarrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr" .Virei sempre que puder dar uma espiadinha.
Um grande abraço

Anônimo disse...

Arthur, meu Amigo de tanto tempo e que hoje tenho o prazer e a felicidade de ler mais uma vez!!! Ainda melhor que antes e, como eu disse um dia, vais chegar lá!!! Pelo seu talento nato, sua imaginação que vai além, muito além de muitos, Amigo!!! Virei sempre que puder pra ler você e esse seu Pai e meu Padrinho Poético... Ambos escritores que amo ler e tenho a honra de ter como Amigos!!! Beijo grandão pra ti... No coração, viu!!! Iza

Anônimo disse...

Parabéns pra você
Nesta data querida
Muitas felicidades
Muitos anos de vida!!!

Que seja, meu Amigo Arthur... Plena
de FELICIDADES esta tua nova idade que hoje inicia-se!!!

F E L I Z * A N I V E R S Á R I O ! ! !

Beijooooooo... No coração!!!
Da Amiga Sempre,

Iza